Nesta edição contamos com a colaboração de:

Marcelo Drummond, natural de Itabira, Minas Gerais. Vive e trabalha em Belo Horizonte. É artista visual, professor da Escola de Belas Artes da UFMG e membro fundador do Laboratório Piracema de Design. Juntamente com a artista Nydia Negromonte dirige o Ateliê ESPAI, espaço cultural autônomo que tem vocação para iniciativas coletivas e que se apresenta como um território de experimentação, elaboração e desenvolvimento de projetos em artes visuais. Em 2016 realizou a exposição individual “Daquilo que é próprio” na Periscópio Arte Contemporânea, galeria que o representa. Participou de inúmeras exposições coletivas, dentre elas: “Cidade Gráfica” [2014], Instituto Itaú Cultural SP, com curadoria de Elaine Ramos, Daniel Trench e Celso Longo; “Segue-se ver o que quisesse”, curadoria de Jörg Bader, Palácio das Artes [Belo Horizonte, 2012] e da mostra “We loves Books! A world tour” [2008], Centre Du Graphisme D’Échirolles, Grenoble, França. Recentemente, assinou a curadoria das seguintes mostras: “Litografia: Lotus Lobo”, Galeria do Centro Cultural Minas [Belo Horizonte, 2018] e “Território Gravado, Galeria Superfície [São Paulo, 2019].

Obras apresentadas:

    Fotografias da série “À Meia-Haste”:

    “De acordo com a Lei Nº 5.700, de 1º/09/1971, sancionada pela Presidência da República, que dispõe sobre a forma e a apresentação dos Símbolos Nacionais, a Bandeira Nacional representa a soberania da Nação e pode ser usada em todas as manifestações de sentimento patriótico dos brasileiros, de caráter oficial ou particular.

    Pode, também, ser veiculada “distendida e sem mastro, aplicada sobre a parede ou presa a um cabo horizontal ligando edifícios, árvores ou postes; reproduzida sobre paredes, tetos, vidraças, veículos e aeronaves; compondo, com outras bandeiras, panóplias, escudos ou peças semelhantes ou conduzida em formaturas, desfiles ou, mesmo, individualmente”.

    Ainda assim, o Artigo 31º do mesmo documento adverte:

    “São consideradas manifestações de desrespeito à Bandeira Nacional, e portanto proibidas:

    I – Apresentá-la em mau estado de conservação.

    II – Mudar-lhe a forma, as cores, as proporções, o dístico ou acrescentar-lhe outras inscrições.

    III – Usá-la como roupagem, reposteiro, pano de boca, guarnição de mesa, revestimento de tribuna, ou como cobertura de placas, retratos, painéis ou monumentos a inaugurar.

    IV – Reproduzi-la em rótulos ou invólucros de produtos expostos à venda”.

    A série fotográfica intitulada À MEIA-HASTE, até agora inédita, é composta de 50 fotografias registradas em 1999, das quais 7 são apresentadas nesse fascículo.

    Nela, o símbolo máximo de representação da soberania nacional sofre releituras gráficas na sua estrutura e formas de representação, veiculadas em suportes e contextos os mais inusitados.

    Aqui, impressiona a maneira como o cidadão brasileiro se apodera da bandeira que, distanciado das normas legais que regem o seu uso, de forma inventiva, jocosa e, muitas vezes, irônica, cria potentes derivações imagéticas.

    Na presente série vemos a esfera celeste atravessada por signos gráficos e objetos vários, para além do lema positivista; o livre manuseio das cores alusivas à natureza brasileira; as inversões das estrelas que originalmente representam os estados e o distrito da federação, cuja posição na bandeira refletem o céu visto no Rio de Janeiro em 15 de novembro de 1889.

    Misto de patriotismo, paixão nacional, desobediência civil, protesto ou ato de resistência, À MEIA-HASTE registra, para além do avanço do tempo, o controverso momento político-social atual, redimensionando visualmente o território nacional e sua tensa relação com o povo brasileiro.”

    Marcelo Drummond

, ..

Hai kai :

* O conteúdo desssa página é uma reprodução do conteúdo do número impresso correspondente.
Veja outros números deste volume:

Volume 30

nº especial

2020

NOVA ECONOMIA: Revista do Departamento de Ciências
Econômicas da UFMG. Belo Horizonte, UFMG/FACE/DCE, 1990-

1. Economia – Periódicos. I. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Ciências Econômicas.
Departamento de Ciências Econômicas.

ISSN 0103-6351
CDU 33(050)

  • Conselho Editorial
  • Informação disponível clicando aqui
  • Comitê Editorial
  • Ana Maria Hermeto Camilo de Oliveira, Fernanda Cimini Salles, Frederico Gonzaga Jayme Júnior, Hugo Eduardo Araújo da Gama Cerqueira, João Antônio de Paula, Luciana Soares Luz do Amaral, Mônica Viegas Andrade, Pedro Vasconcelos Maia do Amaral.
  • Editor/a
  • Gustavo de Britto Rocha (Editor), João Prates Romero (Editor Adjunto)
  • Secretaria Editorial
  • Alexandre de Queiroz Stein
  • Projeto gráfico e capa
  • Bruna Caldeira
  • Direção de Arte
  • Tereza Bruzzi (Curadoria)
  • Diagramação e Formatação dos Originais
  • Bruna Caldeira
  • Fotos
  • Marcelo Drummond
  • Secretaria de redação
  • Paula Brant de Barros Oliveira e Awdrey Vieira Nunes
  • Revisão
  • Maria do Carmo Leite Ribeiro (português); Custom Solutions Ltda (inglês)
  • Reitora da UFMG
  • Sandra Regina Goulart Almeida
  • Diretora da Faculdade de Ciências Econômicas
  • Hugo Eduardo Araújo da Gama Cerqueira
  • Head of the Faculty of Economics
  • Bernardo Palhares Campolina Diniz
  • Apoio
    • Departamento de Ciências Econômicas
    • Faculdade de Ciências Econômicas
    • Imprensa Universitária
    • UFMG
ISSN Impresso 0103-6351  ISSN Eletrônico 1980-5381
Departamento de Ciências Econômicas da UFMG | by Goió Design | Clustrmaps